Crepúsculo dos deuses





Crepúsculo dos Deuses (Sunset Blvd)
EUA, 1950. De Billy Wilder. Com William Holden, Gloria Swanson, Erich von Stroheim e Nancy Olson. Cecil B. de Mille, o diretor que fez a transição entre o cinema mudo e o falado participa do filme representando a si mesmo. Buster Keaton, H.B. Warner e Ray Evans também. Indicado a 8 categorias do Oscar, levou 3: roteiro, direção de arte e música. Globo de Ouro de melhor filme, diretor, atriz e trilha sonora.


"Eu era roteirista. Meu sonho era ter uma piscina. Consegui ter uma piscina, e nela morri." - Joe

O filme começa com William Holden boiando morto em uma piscina. Em flashback, ele vai contando tudo o que aconteceu até tudo acabar do jeito que acabou. Os fãs do filme sabem que o início foi reformulado depois de uma sessão-termômetro para saber o efeito que causaria em uma pequena platéia. O cineasta colocou o ator numa gaveta de cadáveres no necrotério, onde os mortos conversavam contando como chegaram ali, e Holden contaria a história da sua vida. Mas as pessoas riram muito da situação. Como não era essa a intenção de Wilder, ele colocou o cara dentro da piscina. Enquanto escrevia o filme, Wilder ouvia Strauss.

Mad about the boy - Norma

Joe (Holden, o homem mais bonito do cinema) é um roteirista fracassado que acaba conhecendo Norma Desmond, uma estrela do cinema mudo, mas que ninguém mais sabe direito quem é. Só que ela ainda acha que é a tal. Seu mordomo incentiva seus delírios escrevendo cartas para ela, como se fossem de seus fãs. Joe se torna seu amante, o que baixa ainda mais a auto-estima do rapaz. Quando conhece Betty (Olson), uma aspirante a roteirista, e se apaixona, tenta sair daquela relação doentia, o que é difícil, já que Norma está obcecada por ele, além de ser doida de pedra. Erich von Stroheim não sabia dirigir e na tomada em que ele leva Norma Desmond à Paramount, o automóvel teve que ser puxado por uma corda. Mas ele era tão barbeiro, mas tão barbeiro, que acabou batendo com o carro no portão de ferro da entrada do estúdio.

Uma cena que hoje parece inconcebível é William Holden gritando furioso para Gloria Swanson: "Você tem 50 anos!" Pensei que tivesse 70; a Kim Basinger tem 55 anos! Era duro ser mulher naquela época.

(É preciso dizer que os maquiadores precisaram envelhecer a atriz um pouco. Mas mesmo assim)

Mae West foi cogitada para o papel princípal - Wilder pretendia fazer uma comédia. Segundo o diretor, ela teria dito que o papel foi feito para uma mulher mais velha. "Você acha que eu deixaria Bill escapar? Ele estaria cansado demais para ir da minha cama à piscina". Hoho. Mae West era muito parecida com a personagem: morava com um homem que escrevia e respondia cartas supostamente de seus admiradores, e como Norma, também tinha um macaco de estimação. Mary Pickford e Paola Negri foram sondadas. Montgomery Clift aceitou representar o papel do roteirista, mas desistiu duas semanas antes do início das filmagens. David Lynch considera Mulholand dr. o seu Sunset Boulevard.

-Bastard!
Louis B. Mayer, da Metro, para Billy Wilder na saída da pré-estréia de Sunset Boulevard, depois de ver que o cineasta detonou a indústria de fabricar sonhos.

9 comentários:

Diz disse...

Marina, que delícia de blog!
amo cinema e bastidores de tudo.
Bjs e tks so much
Laura

marina w. disse...

Obrigada :)
Tb estou curtindo demais fazer. Um beijo!

BethS disse...

Eu tenho esse filme em DVD, adoro ver de vez em quando. Eu acho que aquela mansão é tambem um personagem, toda caída cheia de ratos - mas que ja recebeu em seus salões Rodolfo Valentino e outros galãs. A decadência mais pura ... Eu gosto muito desse filme.

lola aronovich disse...

Ah, eu adoro Crepúsculo! E todas as anedotas que envolvem o Billy Wilder são sempre um deleite.
Escrevi um pouquinho sobre Crepúsculo quando o Wilder morreu, em 2002. Tá aqui:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2007/11/morte-do-mais-selvagem.html
Ou melhor...
http://escrevalolaescreva.blogspot.com
/2007/11/morte-do-mais-selvagem.html
E escrevi um outro artigo, mais antigo ainda, sobre esse grande diretor. Mas esse artigo eu ainda não coloquei no blog. Encontrei na internet esses dias (deu um pane no meu computador em 2000 e eu perdi tudo que havia escrito antes disso. Mas aos poucos vou encontrando).

fezoca disse...

ah, esta aqui! :-)

Marina, eu amo esse filme, porque amo o Holden e esse eh um dos filmes que ja revi 687754 vezes! :-)

Perguntaram ao Holden uma vez qual era o segredo do ter sucesso em Hollywood e ele respondeu --"You've gotta have IT", sendo IT, o filme Sunset Boulevard. :-)

um beijo,

marina w. disse...

tb adoro esse filme e me diz se existe homem mais sexy do que ele.
beijo!

marina w. disse...

Lola, gosto tanto dos seus textos que qdo comecei a escrever o livro deixei de ir no Lost. Porque eu pensava, caramba como posso pretender escrever sobre filmes se existe uma mulher como a Lola? Vc sempre acrescenta.
beijos ( no maridão tb rs)

lola aronovich disse...

Ai, Marina, assim vc faz minha semana...
Espero que vc possa aparecer lá no blog, e quero muito continuar aparecendo aqui no seu, que tá excelente. Eu quero que haja um diálogo entre os blogs que gostam de cinema. Mas, não sei se por ser nova nisso (porque o Lost Art não era um blog, e eu não tinha quase nenhum feedback dos leitores e de outros blogueiros), tô achando difícil. Com outros blogs de outros assuntos (feminismo, política) parece mais fácil. Será que o pessoal de blogs de cinema é mais competitivo?
Vc que tem muito mais experiência, me diga. Abração!
www.escrevalolaescreva.blogspot.com

Demas disse...

Marina,
sem dúvida, "Crepúsculo..." é um grande Wilder. Holden e Swanson igualmente brilhantes. Tenho um medo daqueles olhos da Norma, rsrs.
Abração