Picnic - Férias de amor




Férias de Amor (Picnic)
EUA.1955. De Joshua Logan. Com William Holden, Kim Novak, Betty Field, Rosalind Russel.

"Estou tão cansada de me dizerem que sou bonita!" - Madgie


William Holden foi o primeiro homem por quem suspirei. Eu devia ter uns 13 anos e estava assistindo Picnic nas madrugadas da Globo. Holden é muito masculino, digamos assim. E pra mim, Picnic é o melhor filme de amor do cinema.

Hal Carter (Holden) chega à uma cidadezinha americana em busca de um emprego, que espera conseguir através de Alan (Robertson), um colega de faculdade, filho do homem mais rico do lugar. Alan namora Madgie (Novak - fetiche dos anos 50), a garota mais bonita da cidade.

Pois bem. Hal precisa de grana e aceita qualquer serviço. Agora imagina você quando Madgie acidentalmente vê Holden sem camisa (o ator precisou depilar os pêlos do peito para não haver risco de a cena ser barrada pela censura), suado, limpando o terreno da casa dela? É isso aí. Mas trata-se de um amor impossível, claro, pois a mãe de Madgie só pensa em casá-la com o tal partidão.

A cena de tirar o fôlego acontece no piquenique do Dia do Trabalho. Pouco depois de Madgie ser coroada a rainha da festa, ao som de "Moonglow", eles se aproximam dançando e estalando os dedos. Nunca vi um cara tão sexy.

(William Holden se sentiu constrangido e exigiu um acréscimo de US$ 8 mil no seu cachê para dançar daquele modo sensual, torcendo para que os produtores não aceitassem. Mas eles, graças a Deus, aceitaram e a cena virou um clássico.)

A Columbia Pictures pretendia fazer uma campanha para a indicação de Rosalind Russel ao Oscar de melhor atriz coadjuvante, mas ela se sentiu ofendida porque achava esse prêmio uma coisa menor. Picnic ganhou dois Oscars, nas categorias de melhor edição e melhor direção de arte, e o Globo de Ouro de melhor diretor.

. . . .

"Eu adoraria fazer uma história de amor sobre duas pessoas depois que elas finalmente ficassem juntas. A história é sobre quem leva o lixo pra fora.” John Cleese

. . . .

Um homem chamado desejo


William Holden se apaixonou por Audrey Hepburn nas filmagens de Sabrina. Pretendia se separar por causa dela, mas a atriz queria ter filhos e ele tinha feito uma vasectomia depois que seu segundo filho nasceu. Audrey então preferiu terminar tudo.

Holden bebia muito e certa vez bateu com o carro durante uma viagem à Itália, causando a morte do outro motorista. Foi julgado e condenado por homicidio culposo, e ficou oito meses em liberdade condicional. Sentia-se deprimido e angustiado.

Ex-caçador, Holden comprou terras no Quênia, onde pretendia criar uma reserva de proteção animal (hoje Fundação William Holden); comprou também fábricas na Ásia; ganhou um Oscar de melhor ator; terminou seu casamento de 25 anos; fez o espetacular Crepúsculo dos Deuses; morou na Suiça.

Em 1974 se casou com a atriz Stephanie Powers. Um dia, bêbado, tropeçou em casa, bateu com a testa e morreu. Tinha 63 anos. Sua morte nunca foi muito bem explicada, e rolou uma coincidência sinistra: na época, Stephanie Powers protagonizava o seriado Casal Vinte, ao lado de Robert Wagner, casado com Natalie Wood. Num espaço muito curto de tempo, Holden morreu dessa maneira esquisita e Natalie Wood caiu do barco em que estava com seu marido e amigos. A atriz tinha fobia de água.

.

6 comentários:

João Daniel disse...

Ah...um dos meus filmes favoritos

Bjo!Adoro os seus blogues.

lola aronovich disse...

Ai, ai! Faz mais de um mês que escrevi um post sobre Picnic. Recomendava inclusive essa cena sexy da dança. Mas não postei, fiquei postergando, colocando outras coisas. Agora vou esperar um pouco mais...
Coincidência sinistra essa com a Natalie Wood. Não me lembrava disso!

marina w. disse...

Valeu, Daniel. Beijo!

marina w. disse...

não é suuuuper sinistro? Hum...
Publica teu texto do Picnic!
Beijos

Tina Lopes disse...

Eu era criança - uns 10 anos - quando a Natalie Wood morreu e lembro da estranheza em torno das circunstâncias. Eu tinha acabado de assistir "Clamor do Sexo", com ela e Warren Beatty, o primeiro filme que me deu um arrepio daqueles. Infelizmente nunca vi Pic Nic na tevê ou na telona, só no youtube. Holden era demais, tenho comigo o Crepúsculo pra matar a saudade de vez em quando. Bj

Diz disse...

Toda vez que vejo o Robert Wagner lembro da morte dela, agora vou lembrar da morte do W Holden tb.
Adoro este blog, aliás, gosto dos dois. :)
A cena de Pic nic é demais. sabe qu emeu ex tb era mto charmos dançando pena que... deixa pra lá.
Bjs Laura