Inteligência Artificial





(A.I. Artificial Intelligence)
EUA, 2001. De Steve Spielberg. Com Jude Law, Haley Joel Osment, Francis O'Connor, Jack Thomas e William Hurt. Ben Kingsaley, Meryl Streep e Robin Williams também participam do filme, nas vozes do narrador, robô azul e dr. Saber, nesta ordem.



"Please, make me a real boy?"


Um robô-criança (Osment, aquele adulto em corpo de guri) é adotado por um casal que está com o filho em coma. Programado para amar a mãe incondicionalmente e eternamente, ele se desespera quando o filho do casal fica bom. A mãe decide se livrar do robozinho, largando-o numa floresta. Abandonado e condenado ao amor eterno, acaba conhecendo um andróide que trabalha como garoto de programa - um sensacional Jude Law, que o acompanha na sua jornada em busca da mãe. O filme é triste, claro.


Circus, Sócrates, particle, decibel, hurricane, dolphin, tulip

Algumas pessoas acharam o filme cansativo, eu não. Fiquei hipnotizada. É totalmente Spielberg, está tudo lá: extraterrenos, menino, a lua, os brinquedos. Adoro a imagem de Nova York submersa, como adoro o piano de Holly Hunter afundando no mar. Água azul é muito cinematográfica e exerce muito efeito sobre mim.

Idéia de Stanley Kubrick, roteiro e direção de Spielberg. Tá bom, né? Kubrick ficou 12 anos amadurecendo a idéia de adaptar o conto de Brian Aldiss para o cinema, mas morreu antes de conseguir produzir I.A., que seria mesmo dirigido por Spielberg.

O diretor de Laranja Mecânica queria um robô de verdade.
Foi Osmond que sugeriu que seu personagem não piscasse nunca, e o diretor achou a idéia legal.

Eu realmente gosto desse filme. Spielberg fala de tudo aquilo que eu acredito, extraterrestres, amor.

Um jeito Hitchcock de ser O diretor aparece tocando guitarra no parque de diversões.

.

6 comentários:

Alba Regina disse...

eu amo. adoro esse filme. na primeira vez q assisti teve um momento q parei, dei uma rodada pela casa e voltei a assistir. aí, foi aquilo. chorei baldes. tipo de soluçar mesmo. eu identifiquei com pinóquio. pinóquio era um boneco de madeira q queria ser um menino de verdade. a versão spilberg para pinoquio. eu amo. amo. amo. beijo.

Alba Regina disse...

ah é... e tem o mar ... aquela coisa q vc sabe ... ;)

BethS disse...

Eba!!!!!!!!
Os posts voltastaram....
tambem ficava torcendo, vim algumas vezes por aqui procurando atualização.
Tambem gosto muito desse filme, muito mesmo. Embora consiga ver claramente a divisão entre a "parte" de Kubrick e a de Spielberg. Eu terminaria tambem um pouquinho antes. Mas é lindissimo, azul de agua e gelo tambem exerce forte impacto sobre mim.
Beijo - que bom que vc voltou...

Tina Lopes disse...

Eu não gosto de Pinóquio, que é moralizante, com aqueles meninos virados em burro; mas amo esse filme. Tem o lado triste e demasiado humano do Pinóquio, da tristeza que é amar sem ser amado. Ah, choro de lembrar do robozinho finalmente feliz, com a mãe-clone. Que bom que você voltou pra cá, Marina!

Demas disse...

Também gosto muito: lembro apenas que achei o finalzinho redundante. Se terminasse um pouquinho antes, seria perfeito.
Abração

GUGA ALAYON disse...

Gostei demais!